30/07/18 Não são a mesma coisa!

Saiba a diferença entre pele seca e pele ressecada

Embora possam parecer a mesma coisa, pele seca não é igual a pele ressecada. E essa sutil diferença pode impactar na escolha de cosméticos.
“O clima frio e o ar seco fazem com que a camada mais externa de células da pele encolha e isso ajuda a degradar as reservas de filagrina, uma proteína que colabora com a hidratação natural e barreira cutânea. Com isso, até mesmo a pele oleosa tende a ficar mais ressecada e pode ser confundida com a pele seca”, explica a dermatologista Thais Pepe. “Mas é necessário entender uma diferença: existe a denominação quanto ao tipo de pele, ou seja, se é seca, normal, mista ou oleosa; e também há condições, internas e externas, que fazem com que até mesmo a pele oleosa possa ficar desidratada ou ressecada”, acrescenta.
De acordo com a médica, o tipo é a característica natural da pele, enquanto a condição é algo que pode causar a experiência de outros problemas. “E isso pode acontecer a qualquer um, tanto de forma breve e temporária quanto, em alguns casos, de maneira mais longa e persistente”, comenta. A baixa ingestão de água, a poluição, o vento, o clima seco e até hobbies, como por exemplo a natação, estão entre os principais fatores que demandam cuidados especiais com a pele para que ela não fique desidratada. “Em resumo, pele seca representa um tipo específico de pele, enquanto a ressecada é uma preocupação”, sintetiza.
Mas afinal, cientificamente, qual a diferença?
“Nossa pele conta com uma membrana hidrolipídica, que é um filme natural de gordura (óleo) e água, com função de proteger a pele. Se você tem pele seca, isso significa uma carência de óleo. É uma característica que também é comum a outras áreas do corpo, como mãos, couro cabeludo e pernas”, explica. “Já no caso da pele desidratada, ela está carente de água e isso pode ser proveniente de vários fatores, desde dieta até uso incorreto de cosméticos, que podem ser agressivos e irritantes”. Ela exemplifica: “O álcool desnaturado pode secar a superfície da pele com aspecto desidratado, mas também estimular a produção de óleo em excesso na base do poro, de modo que a pele fica ainda mais oleosa!”
A médica explica que é nesse ponto que pode surgir um problema: “Quando a pele está desidratada, ela produz mais óleo para compensar a falta de água. Isto pode causar produção exacerbada de sebo, irritação, manchas e espinhas”.
Para resolver esse problema, a médica ressalta primeiramente a importância de consultar um dermatologista, que fará um diagnóstico correto do tipo de pele e da condição em que ela se encontra. “Além disso, é importante a ingestão de água e, no caso das peles oleosas que estão desidratadas, é necessário fazer a hidratação facial de preferência com séruns, já que eles têm textura fluida e não deixam a pele oleosa ou “pesada” e com aspecto brilhante em excesso”, garante. O gel também é indicado para esse tipo de pele, mas atenção: cremes mais pesados devem ser evitados.
Já no caso da pele seca, ela tende a sofrer ainda mais no inverno. “Dessa forma, os cremes devem ser enriquecidos, ou seja, as formulações devem ter uma textura mais rica, que realmente forme um filme sobre a pele, uma parede de defesa que consiga repor e segurar água para evitar a perda transepidérmica. Podem ser usados: Hyaxel e DSH CN (ácido hialurônico de baixo e alto peso molecular), Oligomix, Nutriomega 3, 6, 7 e 9, Alistin, proteínas, peptídeos, ácidos graxos essenciais (ômega-3), vitaminas E e C e oligoelementos como zinco, cobre, ferro, selênio e silício”, explica a médica. Outro ponto de destaque é com relação à higienização dessa pele, de forma que o sabonete líquido não deve ter qualquer agente agressor. “Indico as loções e emulsões de limpeza, os sabonetes cremosos ou os líquidos à base de extratos calmantes como calêndula, camomila, aloe vera”, explica.
De forma geral, a dermatologista sugere, na rotina de limpeza, as seguintes dicas: usar sabonetes de limpeza suaves; evitar esfoliantes agressivos e escovas de limpeza ásperos; usar tônicos que contenham ação hidratante e, no caso da pele oleosa, buscar produtos com álcool em pequena quantidade na formulação; ignorar produtos altamente perfumados (se eles usam fragrâncias sintéticas ou naturais); usar produtos de tratamento, como aqueles à base de ácidos e retinóides, apenas com orientação dermatológica; e procurar ajuda médica em casos de irritação ou ressecamento excessivo. “Algumas vitaminas orais como FC Oral e Bio-Arct podem ser indicadas para melhorar essa hidratação de dentro para fora”, finaliza.
 


Assine nossa Newsletter
























A revista está linda. Se não for pedir demais adoraríamos ter uma cópia para nosso arquivo. 
Luiz, Lar do Velhinhos de Campinas

Minha querida Betty, parabéns por esta vitória tão significativa, apresentar a centésima edição da Revista Absoluta, não é para qualquer um, e somente para pessoas especiais e iluminadas como você. E que venham mais cem edições.
Boanerges Gonçalves