Absoluta

18/02/19 Guerra e Paz

Obra de Candido Portinari terá releitura permanente na capital paulista

Liderada pelos portugueses Isabel Ruas e Gonçalo Ruas, a Oficina de Mosaicos – referência nacional da criação, desenvolvimento e execução de trabalhos na área e presente no Brasil há 36 anos -, criará uma releitura da obra Guerra e Paz em forma de mosaico para ficar exposta permanentemente na USP. A iniciativa busca valorizar a cultura brasileira levando arte a espaços públicos. O projeto tem o apoio do filho de Portinari, João Portinari, e está em fase de captação de recursos.
Arquiteta à frente do projeto, Isabel Ruas reforça que a releitura é algo muito importante para a cultura do país, principalmente pelo seu caráter educativo. "Queremos levar escolas, crianças e todos para conhecer esta obra de Portinari", afirma.
Com dois painéis de 14 metros de altura por 10 de comprimento, a versão original encontra-se na sede da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos. A pintura foi criada a pedido do governo brasileiro, em 1952 e foi dada de presente para a ONU em 1956. Os dois painéis encontram-se separadamente – o painel Guerra está na entrada, enquanto o painel que retrata a paz se encontra na saída.
A releitura terá o mesmo tamanho da versão original. "Não é uma cópia, pois a pincelada de Portinari não vai estar lá. Será a representação da pincelada em mosaico e terá sua forma própria", explica Isabel.
Para realizar o trabalho, está previsto um gasto de 3 milhões de reais. O projeto será executado via Lei Rouanet e está em fase de captação de recursos. Até o momento, algumas instituições se comprometeram a investir, embora ainda não tenham revelado os valores. O processo de captação deve durar até setembro de 2019. Entre os trabalhos já realizados pela Oficina de Mosaicos está o restauro de um mosaico do artista Di Cavalcanti instalado no Teatro Cultura Artística, no centro de São Paulo. 


Assine nossa Newsletter



















Em um país como o Brasil que apresenta tantos desafios... o mercado tradicional de mídia impressa mudando fortemente... e o segmento de Luxo sendo restrito e nicho, a celebração dos 20 anos da Absoluta vai além do admirável!! É resultado da seriedade, do foco e da capacidade de terem se mantido focados em encantar e surpreender. Bravo!
Carlos Ferreirinha, presidente da MCF Consultoria

 

Eu acompanho a Revista Absoluta desde o seu nascimento, sua infância e sua adolescência. Ao vê-la hoje, em plena mocidade, posso afirmar, sem medo, que ela sabe como construir a sua própria história. História de prestígio, credibilidade, entusiasmo e conquista de amizades. Absoluta cresceu. Crescer é superar obstáculos: sejam eles de alegrias e dores, derrotas e vitórias, lutas e sacrifícios, conflitos e incertezas. Absoluta anda por novos caminhos. Andar é... enfrentar o desconhecido, deixar marcas na sua passagem, se firmar com estilo e personalidade. Absoluta nasceu para ser mensageira: distribuir boas novas, dar boas dicas, documentar acontecimentos marcantes do nosso tempo, destacar os profissionais que se dedicam ao progresso das ciências e das relações humanas. A revista não abre mão da beleza interior de cada pessoa que ela focaliza. Acompanhei o seu trajeto e as suas mudanças pelas ruas e avenidas da nossa cidade. Visitei cada morada do seu destino e tomei o cafezinho gostoso com a sua equipe acolhedora, que cresceu unida, vestindo a camisa da sua marca, com a mais absoluta coragem e fidelidade. Vi revistas nascerem e acabarem enquanto a Absoluta caminhava heráldica, saltitando por entre as pedras do caminho. Recebi a honra de ser capa da "Absoluta gente" no lançamento das suas primeiras edições. Tive os meus textos, poemas e as minhas viagens registradas nas suas páginas. Sempre me senti valorizada por ela, enquanto pessoa, prestigiada enquanto artista, e sou grata pelo destaque que a revista Absoluta deu à minha trajetória existencial. Participei de enquetes da revista, ilustrações de textos, me vi entre amigos, tantas vezes, em fotos publicadas nas suas páginas sociais. Costumo chamar Betty Abrahão de Fênix... a ave da mitologia grega que, mesmo quando considerada morta, renasce das cinzas e alça vôo, pro alto, em busca das nuvens. Considero Isabelle o porto seguro desta obra que se eterniza na história de Campinas. Betty e Isabelle são "almas- irmãs" na vida e na parceria do seu trabalho. O sucesso da Revista Absoluta tem a sua origem na cumplicidade de um sonho que se desabrocha e se estende além dos limites da nossa cidade. Podemos comemorar as 100 edições em família, com a certeza de que fazemos parte desta história. Usarei as palavras de Rubem Alves [o escritor sempre destacado e valorizado por esta revista], para sintetizar a minha homenagem a toda a Equipe Absoluta: "O fato é que todos aqueles que ainda têm a ousadia de falar e escrever, acreditam, ainda que forma tênue, que o seu falar faz uma diferença... e desta crença depende o seu sono e o seu acordar..." Parabéns pela centésima edição!!!! Siga Absoluta!!!! Siga fazendo novos caminhos, ao andar...!!! Beijos
Anna Maria Badaró

 

Entre em contato agora mesmo!


Desejo receber as novidades