30/07/18 Manual da escova dental

5 cuidados para manter as cerdas livres de micro-organismos

A escova dental é a ferramenta principal quando o assunto é higiene bucal. Junto com o fio, creme dental, a escova é a responsável por eliminar os resíduos de alimentos e a placa bacteriana, garantindo a saúde da boca. “Porém, se não conservada corretamente, a escova pode se tornar uma grande inimiga, pois as cerdas são o ambiente ideal para a proliferação de fungos, bactérias e vírus”, alerta o Dr. Hugo Lewgoy, cirurgião-dentista e doutor pela USP.
Para ajudar a evitar o problema, o especialista apontou os principais cuidados que devem ser tomados com relação a escova dental. Confira:

Escolha a escova dental certa: Quanto mais simples a escova for, melhor. De preferência, a escova deve ser lisa, sem irregularidades e produzida com matérias não porosos, pois, dessa forma, a higienização será mais fácil e o risco de contaminação e proliferação de germes e bactérias será menor. Além disso, os espaços existentes entre os tufos das cerdas devem ser os menores possíveis para dificultar o acúmulo de sujeiras e restos de alimentos. Por isso, o ideal é que você aposte em uma escova com mais de cinco mil cerdas.

Higienize a escova dental antes e depois do uso: Após a escovação é importante que a escova inteira seja lavada, incluindo o cabo. Para isso, utilize água corrente, de preferência aquecida, e, em seguida, retire o excesso de água com uma pequena batida sobre a palma da mão. Por fim, borrife ou pingue antisséptico bucal à base de clorexidina 0,12% nas cerdas e proteja-as com a capinha de acrílico, que também deve ser limpa com o antisséptico bucal. Antes do uso também deve-se lavar e enxaguar a escova para retirar os resíduos do antisséptico bucal e de micro-organismos que podem ter ficado nas cerdas.

Não compartilhe a escova dental e evite o contato entre elas: Escovas dentais são de uso pessoal e intrasferível. Por isso, nunca compartilhe a escova dental com outras pessoas, nem mesmo com sua família, pois os germes presentes nas cerdas podem facilitar a transmissão de doenças. Além disso, evite guardar as escovas grudadas umas nas outras, pois isso cria uma ponte de bactérias entre elas.

Troque a escova dental a cada três meses: Com o tempo, as cerdas ficam desgastadas. Quando isso acontece, elas se tornam menos eficazes na limpeza dos dentes e na desorganização da placa bacteriana. O ideal então seria até trocar a escova mensalmente ou a cada dois meses para manter a mesma com efetividade máxima. Mas nunca deixe passar o prazo limite de três meses.

Guarde a escova dental no lugar correto: Quando damos descarga, as bactérias presentes no vaso sanitário são lançadas no ar e se acumulam nas cerdas das escovas. Por isso, armazene as escovas dentais a pelo menos um metro de distância do vaso sanitário e sempre dê descarga com a tampa fechada. O ideal é guardar as escovas no armário do banheiro, que deve ser ventilado para evitar a proliferação de bactérias. Os porta-escovas do tipo Flipper, também são uma ótima opção para armazenar as escovas, protegem as cerdas e evitam o contato das mesmas com sujidades do ambiente, além de serem de fácil utilização, já que com apenas uma mão é possível retirar e guardar a escova novamente.


Assine nossa Newsletter



























Queridas Betty e Isabelle, quero cumprimentá-las pela beleza e qualidade da edição da revista nov/dez. Está incrível, elegante e muito interessante de ler!! As mudanças foram ótimas. Parabéns! 
Maria Inês Fini

A revista está linda. Se não for pedir demais adoraríamos ter uma cópia para nosso arquivo. 
Luiz, Lar do Velhinhos de Campinas

Mensagem