19/05/19 Colírio

O uso do medicamento deve ser levado a sério

É bastante comum o uso de colírios para aliviar desconfortos oculares, como ressecamento ou irritação, por exemplo. Entretanto, colírios não são iguais. A utilização do medicamento sem uma consulta médica pode não ser capaz de trazer alívio para o incômodo e nem mesmo curar adequadamente enfermidades nos olhos, que podem ser diversas, tais como conjuntivites, alergias, inflamações, entre outros.
De acordo com o oftalmologista Antonio Sérgio Leone, a automedicação oferece diversos riscos para a saúde dos olhos, além de poder apenas mascarar o problema, e não curá-lo totalmente.
“É importante lembrar que o colírio é um medicamento e que cada tipo é destinado para uma doença diferente. Além de retardar o tratamento e prolongar o processo infeccioso, o uso incorreto, sem prescrição médica, pode causar consequências sérias e comprometer a visão. Algumas irritações são causadas por poluição, produtos químicos e tempo seco, e são facilmente tratáveis. Porém, alguns sintomas comuns podem ser subestimados, escondendo doenças graves, como infecções e até mesmo o glaucoma, caracterizado pelo aumento da pressão intraocular e que pode levar à cegueira irreversível. Por isso, nunca descarte a ida a um oftalmologista”, ressalta Leone.

Após a consulta, saiba como pingar
Para aplicar o líquido nos olhos, é necessário ter alguns cuidados. Antes de iniciar o processo, é preciso lavar bem as mãos e evitar contato dos dedos com a ponta por onde saem as gotas, evitando uma contaminação. Na hora da aplicação, é necessário puxar as pálpebras inferiores e garantir que o medicamento seja pingado no espaço logo abaixo dos olhos, chamado de saco conjuntival.
Outra dica importante é manter os olhos fechados durante um minuto completo, garantindo que o líquido penetre em toda a área dos olhos. “Muitas pessoas piscam continuamente, o que não é indicado. O ideal é deixar os olhos calmamente fechados”, explica o especialista.


Assine nossa Newsletter

























Na matéria da revista Absoluta, em que Isabelle Sabbatini escreveu o texto sobre Egas Francisco, tive uma certeza: ela compreendeu um gênio !!!!!!
As suas palavras descrevem Egas como alguém "que inspira mansidão, acolhimento, ousadia e loucura". Esta é a síntese da genialidade de quem suplanta todas as expectativas de ser apenas um igual e abraça com ousadia e coragem as suas próprias contradições para construir um novo caminho. Pessoas que extrapolam os conceitos vulgares de simplesmente existir e, assim, atingem a genialidade. Pessoas que tornam menos sombria a condição humana, porque elas tem a criatividade e a força de espírito maior do que a maioria das pessoas integradas no contexto do existir comum.
Parabéns, Isabelle !!! Amei a matéria !!!! Bjs
Anna Maria Badaró, artista plástica

Parabéns Absoluta!!! A revista Absoluta veio há 18 anos, e veio para ficar. Suas matérias são especialíssimas e acrescentam sempre algo a mais em nossa vida.
A cada mês, uma surpresa e uma surpresa melhor. Gosto, em particular de ver as fotos do arquivo do saudoso amigo Jamil Abrahão, que nos fazem lembrar a fase áurea de nossa sociedade.
Minhas queridas Betty, Isabelle e Gabriella herdaram os dons preciosos da grande dama de nossa sociedade, a amada Esmeralda, mãe e avó delas, pertencente à tradicional família Abrahão Aburad, para levar a frente esta magnifica ‘ABSOLUTA’”.
José Herculano Vicente