28/07/19 Obesidade

Brasileiros atingem maior índice dos últimos treze anos

A prevalência da obesidade volta a crescer no Brasil. Isso é o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, do Ministério da Saúde. Sobre esse índice, houve aumento de 67,8% nos últimos treze anos, saindo de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018. O Brasil nos últimos três anos apresentava taxa estáveis da doença. Desde 2015, a prevalência de obesidade se manteve em 18,9%.
Em 2018, os dados também apontaram que o crescimento da obesidade foi maior entre os adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos, com 84,2% e 81,1%, respectivamente. Apesar de o excesso de peso ser mais comum entre os homens, em 2018, as mulheres apresentaram obesidade ligeiramente maior, com 20,7%, em relação aos homens,18,7%.

Na contramão do aumento dos percentuais de obesidade e excesso de peso, o consumo regular de frutas e hortaliças cresceu 15,5% entre 2008 e 2018, passando de 20% para 23,1%. A prática de atividade física no tempo livre também aumentou 25,7% (2009 a 2018), assim como o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu 53,4% (de 2007 a 2018), entre os adultos das capitais. Também ao informar que receberam o diagnóstico médico de diabetes (40%), entre 2006 e 2018, os entrevistados demonstraram ter maior conhecimento sobre sua saúde, o que os motivaram a buscar os serviços de saúde, na Atenção Primária, receber o diagnóstico e iniciar o tratamento.

"Nós temos um aumento maior da obesidade em decorrência do consumo muito elevado de alimentos ultraprocessados, de alto teor de gordura e açúcar. Então, o incentivo ao consumo de hortaliça entre as crianças e os adultos é fundamental. Está acontecendo uma mudança de comportamento, de paradigma importante no Brasil. E também, compete a nós, a gestão, ampliarmos o incentivo ao consumo de alimentos mais saudáveis e também promover a economia local, com o consumo de hortaliças. Quanto mais próximo de casa eu compro o alimento, mais saudável ele é, e mais fresco eu vou consumi-lo", afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira.

Para avaliar a obesidade e o excesso de peso, a pesquisa leva em consideração o Índice de Massa Corporal (IMC). Por meio dele, é possível classificar um indivíduo em relação ao seu próprio peso, bem como saber de complicações metabólicas e outros riscos para a saúde.


Assine nossa Newsletter



























Na matéria da revista Absoluta, em que Isabelle Sabbatini escreveu o texto sobre Egas Francisco, tive uma certeza: ela compreendeu um gênio !!!!!!
As suas palavras descrevem Egas como alguém "que inspira mansidão, acolhimento, ousadia e loucura". Esta é a síntese da genialidade de quem suplanta todas as expectativas de ser apenas um igual e abraça com ousadia e coragem as suas próprias contradições para construir um novo caminho. Pessoas que extrapolam os conceitos vulgares de simplesmente existir e, assim, atingem a genialidade. Pessoas que tornam menos sombria a condição humana, porque elas tem a criatividade e a força de espírito maior do que a maioria das pessoas integradas no contexto do existir comum.
Parabéns, Isabelle !!! Amei a matéria !!!! Bjs
Anna Maria Badaró, artista plástica

Para conhecer a revista ‘Absoluta’, é preciso conhecer a Betty Abrahão. Conhecer Betty Abrahão, é conhecer Campinas nas suas artes, cultura, eventos, rodas sociais, história da cidade e daqueles que escreveram e escrevem essa história.
Betty Abrahão está sempre presente. Faz acontecer! Ela programa, propaga e promove a integração daqueles que daqui são e dos que de fora vieram. O DNA de Betty Abrahão vem marcado com o de seu tio Jamil Abrahão, mas como dizia um dos meus brilhantes professores da PUC em minha Faculdade de Direito: ‘a gente reconhece que o professor é bom, quando o aluno supera o mestre’. Certamente Jamil Abrahão sente-se feliz ao ver onde ela e a revista ‘Absoluta’ chegaram.
Além de se somar a isso, seu jeito faceiro, seu sorriso presente, a elegância irretocável e autenticidade que levam sua marca, por onde passa. Ah! E a revista?
Muito bonita, bem formatada, artigos interessantes, além de todas as entrevistas que desvendam, com curiosidades, um pouquinho da história daqueles que têm o privilégio de estar em suas páginas. Leitura leve, para qualquer ocasião. Não precisa ser ‘usada com moderação’.
Parabéns ‘Absoluta’, parabéns Betty Abrahão, parabéns Campinas e parabéns, com absoluta convicção, de que a ‘Absoluta’ é um presente. Com carinho.
Célia Leão, deputada estadual