Absoluta

03/03/20 Mulheres têm mais risco de perder a visão

Vida longa, stress, variações hormonais e anticoncepcional são os vilões

As mulheres têm o sistema imunológico forte, são resistentes à dor e vivem mais que os homens. Mas têm mais risco de perder a visão. De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, a perda da visão é mais frequente nas mulheres, e o pior é que a deficiência visual está crescendo no mundo todo. Segundo relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde), de forma global a cegueira e deficiência visual grave já atingem 2,2 bilhões de pessoas no mundo.

Miopia
A boa notícia é que, segundo a OMS, mais de um bilhão desses deficientes podem ser recuperados com um simples par de óculos ou pela cirurgia de catarata. Queiroz Neto esclarece que de todos os vícios refrativos, a miopia, dificuldade de enxergar à distância é o que mais cresce. Isso porque os trabalhos em ambientes fechados e as atividades próximas ao celular ou computador favorecem a progressão do grau. Ele destaca que entre crianças esta evolução pode ser barrada com mais atividades ao ar livre, que estimulam a produção da dopamina, um neurotransmissor capaz de interromper o crescimento do olho que caracteriza a miopia. “O uso de telas digitais por crianças deve ser de, no máximo, 2 horas ininterruptas” avisa. Em adultos, a única terapia para interromper a progressão da miopia que pode causar descolamento da retina e glaucoma se não for barrada, são as lentes de contato noturnas que aplanam a córnea e permitem enxergar bem sem óculos durante o dia.

Vida mais longa e stress
Queiroz Neto ressalta que um dos fatores que provoca maior perda da visão entre mulheres é o envelhecimento. Este é o principal fator de risco para desenvolver catarata, a maior causa de cegueira tratável no mundo, que torna o cristalino opaco e tem como único tratamento a cirurgia. Neste caso, a intervenção consiste em substituir o cristalino por uma lente intraocular transparente. Adiar a cirurgia torna a operação mais perigosa porque dificulta a extração da catarata. Além disso, o stress da dupla jornada de trabalho pode antecipar o envelhecimento celular. “Isso ocorre devido a formação de radicais livres que aceleram o envelhecimento”, pondera. Outra doença decorrente do envelhecimento é a degeneração macular, que afeta a porção central da retina, responsável pela visão de detalhes. Por isso a recomendação do médico é que a partir dos 40 anos, as pessoas consultem um oftalmologista anualmente.

Variações hormonais
O médico explica que as variações hormonais relacionadas ao ciclo menstrual, gestação e menopausa também têm influência na refração e produção do filme lacrimal. A lágrima protege o olho das agressões externas, mantém a lubrificação da porção externa e a transparência da córnea, lente externa do olho. “É por isso que, para cada homem, três mulheres sofrem com olho seco. A deficiência severa de lágrima pode causar cicatrizes na córnea, uma importante causa de deficiência visual” explica.

Anticoncepcional
Queiroz Neto alerta que mais da metade das mulheres diabéticas que chegam ao consultório não apresentam um bom controle da glicemia. Para este grupo, a OMS recomenda interromper o uso da pílula anticoncepcional e só voltar a usar quando o diabetes estiver bem controlado. Neste período, a recomendação é pelo uso do DIU, dispositivo intrauterino, que evita a perda da visão por alterações na retina.
Outro estudo mostra que o uso da pílula anticoncepcional por mais de 10 anos aumenta o risco de contrair glaucoma. "A doença dificulta o escoamento do líquido que preenche o globo ocular e provoca a degeneração das células do nervo óptico que são irrecuperáveis. Por isso, mulheres que já tomam pílula há 10 anos devem consultar o oftalmologista anualmente", avisa.

 

 


Assine nossa Newsletter













Oi Betty, parabéns a vc e tbem a todos pela excelente edição de final de ano. Ótimo conteúdo, que faz toda toda diferença... 
Vera Buchner, Porao Boutique

Eu acompanho a Revista Absoluta desde o seu nascimento, sua infância e sua adolescência. Ao vê-la hoje, em plena mocidade, posso afirmar, sem medo, que ela sabe como construir a sua própria história. História de prestígio, credibilidade, entusiasmo e conquista de amizades. Absoluta cresceu. Crescer é superar obstáculos: sejam eles de alegrias e dores, derrotas e vitórias, lutas e sacrifícios, conflitos e incertezas. Absoluta anda por novos caminhos. Andar é... enfrentar o desconhecido, deixar marcas na sua passagem, se firmar com estilo e personalidade. Absoluta nasceu para ser mensageira: distribuir boas novas, dar boas dicas, documentar acontecimentos marcantes do nosso tempo, destacar os profissionais que se dedicam ao progresso das ciências e das relações humanas. A revista não abre mão da beleza interior de cada pessoa que ela focaliza. Acompanhei o seu trajeto e as suas mudanças pelas ruas e avenidas da nossa cidade. Visitei cada morada do seu destino e tomei o cafezinho gostoso com a sua equipe acolhedora, que cresceu unida, vestindo a camisa da sua marca, com a mais absoluta coragem e fidelidade. Vi revistas nascerem e acabarem enquanto a Absoluta caminhava heráldica, saltitando por entre as pedras do caminho. Recebi a honra de ser capa da "Absoluta gente" no lançamento das suas primeiras edições. Tive os meus textos, poemas e as minhas viagens registradas nas suas páginas. Sempre me senti valorizada por ela, enquanto pessoa, prestigiada enquanto artista, e sou grata pelo destaque que a revista Absoluta deu à minha trajetória existencial. Participei de enquetes da revista, ilustrações de textos, me vi entre amigos, tantas vezes, em fotos publicadas nas suas páginas sociais. Costumo chamar Betty Abrahão de Fênix... a ave da mitologia grega que, mesmo quando considerada morta, renasce das cinzas e alça vôo, pro alto, em busca das nuvens. Considero Isabelle o porto seguro desta obra que se eterniza na história de Campinas. Betty e Isabelle são "almas- irmãs" na vida e na parceria do seu trabalho. O sucesso da Revista Absoluta tem a sua origem na cumplicidade de um sonho que se desabrocha e se estende além dos limites da nossa cidade. Podemos comemorar as 100 edições em família, com a certeza de que fazemos parte desta história. Usarei as palavras de Rubem Alves [o escritor sempre destacado e valorizado por esta revista], para sintetizar a minha homenagem a toda a Equipe Absoluta: "O fato é que todos aqueles que ainda têm a ousadia de falar e escrever, acreditam, ainda que forma tênue, que o seu falar faz uma diferença... e desta crença depende o seu sono e o seu acordar..." Parabéns pela centésima edição!!!! Siga Absoluta!!!! Siga fazendo novos caminhos, ao andar...!!! Beijos
Anna Maria Badaró

 

Entre em contato agora mesmo!


Desejo receber as novidades