Absoluta

23/08/20 Ansiedade x Obesidade

Entenda essa relação e aprenda a minimizar os impactos

O Brasil é o país que concentra o maior número de pessoas ansiosas do mundo. Em 2019, a Organização Mundial da Saúde divulgou que 9,3% dos brasileiros, ou seja, 18,6 milhões de pessoas, sofrem com o transtorno.
O problema se agravou com a pandemia. Uma pesquisa divulgada pelo Google, recentemente, apontou que os brasileiros procuraram três vezes mais pelo tema ansiedade nos últimos três meses do que em 16 anos. Apenas a expressão “como é ter crise de ansiedade” aumentou 5.000% entre janeiro e julho.
Estudos comprovam que a ansiedade leva à compulsão alimentar e, consequentemente, ao ganho de peso. A especialista em obesidade Edivana Poltronieri explica a relação entre ansiedade e alimentação, e como direcioná-la para os alimentos certos para minimizar os impactos negativos na saúde.

Ansiedade e obesidade
“A pessoa ansiosa, geralmente, precisa de um escape. O mais acessível e prazeroso, para a maioria delas, acaba sendo a comida. Ela não se alimenta porque está com fome, mas faz isso para liberar os seus impulsos. E é nesse momento que inicia a compulsão alimentar”, explica.
Edivana, que já ajudou muitos obesos a perderem peso, pontua que o problema da maioria era a ansiedade. “A ansiedade causa alterações hormonais, liberando cortisol, adrenalina e carga glicêmica, responsáveis pelo acúmulo de gordura. Com isso, vem o ganho de peso”.

Aprenda a direcionar a ansiedade nos alimentos certos
Ela explica que comida gordurosa, derivados de açúcar e farinha refinados, como biscoitos e doces, são os principais vilões de quem come por ansiedade. “Esse tipo de comida desperta prazer, porém, coloca a pessoa em um ciclo viciante de que nunca é suficiente”, pontua. E destaca a importância de encontrar alternativas que gerem prazer, porém que sejam pouco calóricas, como frutas cítricas, leite, ovos e derivados magros, carnes e peixes.
“A recomendação não é proibir comer um carboidrato ou chocolate quando se está com vontade, mas tentar direcionar a tensão principal para esse tipo de alimento, até que a pessoa consiga discernir o que é vontade constante e pontual”, explica.
Embora seja um processo lento, ele é fundamental para não comprometer a saúde. “Esse tipo de descontrole é o que gera o alto índice de diabéticos, cardíacos, colesterol elevado e pressão alta. Então, se a pessoa só se sente bem comendo descontroladamente, é preciso procurar tratamento para controlar a impulsividade”, finaliza Poltronieri.
 


Assine nossa Newsletter













Absoluta comemora 18 anos de maioridade em todos os sentidos, trazendo a todos nós, nesses anos que convivemos com essa publicação de nível superior, tão cheia de humanidade, conhecimento e profundo enriquecimento para as mentes das pessoas mais antenadas. Isabelle, Betty e seus colaboradores merecem todo nosso respeito e admiração por esse trabalho e sucesso durante esses anos. Beijos mil.
Shirley Garcia

Excelente revista. Leitura agradavel, uma mistura bem comtemporânea sem perder a identidade da cidade. Revista bem elaborada. Atemporal. Parabens Isabelle, sou sua fã. Que capa criativa.
Christiana Blattner, dermatologista

Entre em contato agora mesmo!


Desejo receber as novidades