Entramos, novamente, na fase vermelha…

Há um ano fomos obrigados a ficar em casa para que o sistema de saúde não colapsasse. Era preciso montar hospitais de campanha, encontrar tratamento precoce para que os casos não se agravassem, blá, blá, blá, blá, blá.
Muito dinheiro foi gasto para montar os tais hospitais que, por falta de pacientes, acabaram fechados.
O tratamento precoce, que ajudou a salvar inúmeras vidas, foi proibido e, no lugar dele, passaram a produzir vacinas cada vez mais caras, mesmo sem a garantia de que possam realmente ter o efeito esperado.
Querem torná-la obrigatória enquanto mais de 7 milhões de pessoas já foram vacinadas.
Diminuíram o número de leitos destinados ao atendimento desses casos, e não se cansam de afirmar que a quantidade de infectados só aumenta…

Algumas perguntas que não consigo encontrar resposta:

– Por que desmontaram os hospitais de campanha tão rapidamente, depois de tanto dinheiro investido?
– Afinal, os tais respiradores, comprados com valores superfaturados e em lugares inusitados, chegaram ou não ao país?
– Porque culpam o governo federal pela má administração dos Estados e municípios no tocante à pandemia, se o STF determinou que governadores e prefeitos decidissem fazer o que achavam melhor?
– Por que a “grande imprensa” só foca no número de mortos e nunca no número de recuperados?
– Porque diminuem o horário de funcionamento do comércio, ao invés de aumentar? Menos tempo, mais gente, maior aglomeração, ou não?
– Se as máscaras funcionam, porque fecham o comércio? Se não funcionam, porque temos que usar?
– Onde foi gasto o dinheiro repassado pelo governo federal para que estados e municípios usassem na saúde?
– Se os números de infectados não param de subir, por que continuam diminuindo o número de leitos, ao invés de aumentá-los?
– Por que as pessoas insistem em acreditar na falsa ética quando atitudes demonstram que o discurso não condiz com a realidade?
– Por que as pessoas gostam tanto de sair em foto?

Isabelle Sabbatini é advogada e há mais de 20 anos produz conteúdo para a Absoluta.