Acidente fatal

Um acidente com um jato particular de porte médio, modelo Cessna Citation XLS+, fez sete vítimas fatais na manhã de hoje, 13, em Santos, litoral paulista. Entre os mortos, está o candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, do PSB, que iria participar do evento Santos Export. As causas do acidente serão apuradas pela Aeronáutica; em paralelo, a Polícia Civil também irá investigar o caso para levantar possíveis responsáveis.
Além do presidenciável e dos dois tripulantes, Geraldo da Cunha e Marcos Martins, estavam a bordo o fotógrafo Alexandre Severo Gomes da Silva; o assessor Carlos Augusto Ramos Leal Filho, conhecido como Percol; o cinegrafista Marcelo de Oliveira Lyra; e o assessor de campanha Pedro Almeida Valadares Neto.
Ao contrário do que dito inicialmente pela grande mídia, Renata Campos, a esposa do candidato, não viajava com Eduardo na aeronave. Após acompanhar o marido na entrevista concedida na noite de ontem no Jornal Nacional, da Rede Globo, ela embarcou para recife com o bebê do casal, Miguel, e o assessor Rodrigo Molina, em um vôo de carreira, hoje pela manhã.
Ao longo da carreira política, que se iniciou aos 21 anos, Eduardo Campos foi secretário de estado, deputado, ministro e governador de Pernambuco por dois mandatos. Ele deixa a esposa e cinco filhos.
Em nota, a prefeitura de Campinas informou que o prefeito Jonas Donizette, amigo de Campos e companheiro de partido, está a caminho de Santos para acompanhar todos os acontecimentos e, em breve, se pronunciará em nota oficial.

Eleições 2014
Com a morte de Eduardo Campos, o Partido Socialista Brasileiro, poderá escolher um novo nome para concorrer à Presidência da República, em até dez dias. Segundo a legislação eleitoral, é “facultado ao partido ou coligação substituir candidato que for considerado inelegível, renunciar ou falecer após o término final do prazo do registro ou, ainda, tiver seu registro indeferido ou cancelado”.
Vale lembrar que não há condução automática da candidata a vice-presidente, Marina Silva. Qualquer pessoa filiada a um dos partidos da coligação e, claro, que cumpra os critérios de elegibilidade pode ser nomeada.

Nota oficial do PSB
Confira na íntegra a nota divulgada pelo PSB, assinada pelo primeiro vice-presidente do partido, Roberto Amaral.
“Não é só Pernambuco e sua gente que perdem seu líder; não é só o PSB que perde seu líder. É o Brasil que perde um jovem e promissor estadista.
No dia em que são passados nove anos do falecimento de Miguel Arraes, o Partido Socialista Brasileiro cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento, nesta data, vítima de acidente aéreo, do seu presidente, ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, nosso candidato à Presidência da República.
Aos 49 anos recém completados, Eduardo Campos vivia o auge de sua brilhante carreira política: deputado estadual, secretario de Estado de Pernambuco, deputado federal, ministro de Estado, governador de  Pernambuco reeleito por consagradora maioria, oferecia sua experiência e juventude ao serviço do País.
Candidato à Presidência da República, apresentou-se ao debate de nossas questões fundamentais, coerente com os princípios que sempre nortearem sua vida, e o primeiro deles era a busca por justiça social, razão de existência do Partido Socialista Brasileiro.
Perdemos Eduardo Campos quando mais o Brasil precisava de seu patriotismo, seu  desprendimento, seu destemor e sua competência.
Não é só Pernambuco e sua gente que perdem seu líder; não é só o PSB que perde seu líder. É o Brasil que perde um jovem e promissor estadista.
Estamos todos de luto.”

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta