Balança comercial

O déficit da balança comercial na Região Metropolitana de Campinas (RMC), que resulta da diferença entre as importações e as exportações realizadas pelas empresas instaladas neste polo econômico, alcançou o patamar de 4,47 bilhões de dólares, o maior valor registrado no acumulado do ano.
A análise do Observatório PUC-Campinas, feita com base nos dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, mostra que o número é consequência do volume expressivo de importações no período de janeiro a junho de 2018, que ultrapassou 7 bilhões de dólares. Destaque para as transações realizadas nos Municípios de Hortolândia e Jaguariúna – sedes de grandes empresas multinacionais produtoras de máquinas automáticas para processamento de dados, como computadores, e de aparelhos de telefonia –, que importam alta quantidade de componentes necessários à fabricação de suas mercadorias.
Para o economista Paulo Ricardo Oliveira, responsável pelo estudo do Observatório, os dados reforçam a dependência da região por produtos importados. “Tudo isso em um ano no qual a taxa de câmbio nominal subiu mais de 20%, o que deveria frear as importações”, destacou o docente, que ainda apontou certos impactos dessa situação: a “exportação” de empregos – via vazamento da demanda dos consumidores nacionais por produtos de outros países –, além da volatilidade dos preços no mercado interno, ocasionada pela inflação dos custos.
Em relação às exportações, que atingiram a marca de 2,59 bilhões de dólares, houve destaque nas cidades de Sumaré e Indaiatuba – produtoras de materiais de transporte, como é o caso de montadoras –, que apresentaram saldos mais equilibrados no período.
Considerando apenas o mês de julho deste ano, o relatório revela que a participação da RMC nas exportações e importações do Estado de São Paulo representam, respectivamente, 6,43% e 22,30%. Mais de 90% dos produtos exportados são de média e média-alta complexidade, enquanto dos insumos importados são de média e média-alta complexidade, oriundos de países com maior sofisticação tecnológica das estruturas produtivas.

Observatório PUC-Campinas
O Observatório PUC-Campinas é responsável pelo monitoramento de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas (RMC) e está, atualmente, amparado em quatro eixos temáticos: Atividade Econômica/Comércio Internacional; Emprego/Renda; Sustentabilidade/ Desafios do Milénio; e Indicadores Sociais. Os estudos se estruturam na seleção de indicadores e análise sistêmica de dados que podem ser usados em diversos setores da sociedade.
 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta

error: Content is protected !!