Criado Fórum Metropolitano do Trabalho

Please select a featured image for your post

A Secretaria Municipal de Trabalho e Renda realizou uma reunião com representantes de municípios da região para a criação do Fórum Metropolitano do Trabalho. O encontro ocorreu na sede do Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT) onde será implementado o Observatório do Trabalho.

Além do município de Campinas, participaram do encontro na última quinta-feira, dia 5 de março, representantes dos municípios de Monte Mor, Hortolândia, Itatiba, Santo Antonio de Posse, Jaguariúna, Paulínia, Sumaré e Americana.

"A constituição do Fórum foi uma das exigências do Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, quando Campinas apresentou, em janeiro, o plano do Observatório do Trabalho. O objetivo é que a experiência tenha uma dimensão regional", contou o secretário de Trabalho e Renda, Sebastião Arcanjo.

Segundo o secretário, a proposta é observar e acompanhar os impactos da crise e, sobretudo, os impactos do ponto de vista do emprego e da renda, articulando os dados com políticas públicas de fortalecimento de emprego formal, de programas de geração de renda, de cooperativas e de fomento ao crédito solidário.

Os representes dos municípios presentes à reunião tiveram acesso a inúmeros dados levantados pelo Observatório referentes à Região Metropolitana de Campinas (RMC) de 2007 e 2008.

Entre os números apresentados estão levantamentos de mão-de-obra formal, e informal e sua distribuição por faixa etária, escolaridade e gênero; número de estabelecimentos comerciais dos diferentes segmentos; remuneração média no trabalho formal; estimativa do índice de desemprego entre outras possibilidades geradas a partir desses dados.

"Considerando o desenvolvimento da crise e, subsidiados por esses dados, o poder público terá condições de tomar iniciativas focalizadas em seus problemas específicos", falou Sebastião.

Dados
Pelos dados apresentados, a RMC apresentou números que indicam uma certa estabilização do volume de desemprego. A expectativa é de que os próximos números, de fevereiro e março, possam manter essa tendência.
"Na região, há municípios cujo balanço entre emprego e desemprego foi positivo, ou seja, gerou mais emprego do que desemprego," citou o secretário, salientando ainda que há uma vocação muito forte para empregos na área de serviços e na área da construção civil.

"Talvez nossa região possa sofrer um pouco menos que outras do Brasil com o desenrolar dessa crise internacional, porque além desses dados registramos as contratações que estão sendo feitas pelas nossas prefeituras. Em Campinas, só neste mês de fevereiro, foram contratados mais 960 trabalhadores na área de educação", comentou.

Além disso, o secretário citou as obras do Programa de Aceleração do Crescimento PAC que estão espalhadas em cada município e os planos municipais de obras e serviços de manutenção como outras opções de emprego e renda à população.
CPAT.

De acordo com Arcanjo, o convênio para a implementação do Observatório do Trabalho já está assinado aguardando os detalhes finais que devem ser concretizados nos próximos 20 dias. O órgão funcionará numa das salas do Centro de Apoio ao Trabalhador (CPAT), que fica no prédio anexo ao Palácio da Mogiana.

"De qualquer forma, o trabalho de prospecção, de formação, de pesquisa e levantamento de dados já está sendo feito. Isso faz com que nós estejamos, de certa maneira, avançados em relação a outras regiões e outros municípios no que diz respeito ao acompanhamento da crise" finalizou o secretário.

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta