Currículo bem elaborado

Elaborar um currículo detalhado e objetivo é essencial para garantir que quem o lê queira entrevistar e considerar o profissional retratado em um processo de seleção. Além de uma ferramenta fundamental de inserção profissional, ele deve ser encarado como uma peça de marketing pessoal e como um roteiro bem construído.

Currículos com erros de português, clichês ou estrutura de texto não apropriada só comprometem o candidato. Já um roteiro claro e lógico colabora para que o profissional conquiste espaço e seja chamado para uma entrevista. “A parametrização de informações é a principal dica de estilo para a redação de um currículo. Será muito mais fácil ao profissional lembrar-se dos detalhes do currículo quando já estiver numa entrevista”, afirma Selma Fredo, consultora da DBM.

Segundo ela, há algumas dicas especiais para a elaboração de um currículo competitivo no mercado de trabalho.

No quesito estilo, o currículo deve ter texto direto, claro e sem rodeios.
As qualificações, por sua vez, devem ser listadas de acordo com parâmetros coesos, ligados à relevância, assim como as realizações do profissional.

Uma estratégia bastante utilizada e bem sucedida é organizar as realizações implementadas em uma empresa por ordem de importância, adotando o mesmo padrão para todas as demais companhias citadas no documento.

Evitar linguagem repetitiva e não usar demasiadamente terminologias em outros idiomas ou palavras extremamente técnicas, o que dispersa a atenção do leitor. É importante também evitar o uso do mesmo verbo de ação em muitas frases, assim como rebuscar o texto.

Não usar abusivamente a primeira pessoa do singular, o que pode para algumas pessoas indicar falta de espírito de equipe.

No caso dos currículos encaminhados por e-mail, é interessante acrescentar no corpo da mensagem uma carta de apresentação que explicite ao interlocutor as razões do interesse pela empresa que está sendo contatada e que traga uma brevíssima síntese de suas qualificações e realizações.

Em relação ao estilo e linguagem de textos enviados por e-mail ou impressos, Selma explica que não podem existir diferenças entre os dois. “Não se deve redigir inúmeras versões de um currículo pensando na adequação de perfil à empresa” A “,” B “ou” C “, ou ao meio de comunicação” X “ou” Y “, afinal, a qualificação de um profissional se mantém independentemente da empresa e do meio, já que se alinha ao objetivo indicado no currículo”.

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta