Doença de Parkinson

No mês de setembro, uma paciente que sofre da doença de Parkinson se submeteu a uma cirurgia de palidotomia no Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp. A palidotomia é possível por meio uma técnica moderna da neurocirurgia, chamada estereotaxia, na qual a localização e o acesso preciso às profundas estruturas intracranianas são realizadas através de apenas um pequeno orifício no crânio.  

A cirurgia foi conduzida pela equipe da divisão de neurocirurgia funcional do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, leva pouco mais de duas horas e é feita com o paciente acordado.  

 Há dez anos esse tipo de cirurgia não acontecia na Unicamp. A demanda, no entanto, é grande: todo mês dois pacientes são encaminhados pela área de neurologia clínica do HC da Unicamp para o Hospital das Clínicas (HC) da USP de São Paulo, referência na América Latina. 

A realização dessa cirurgia na Unicamp só foi possível graças a dois fatores: a parceria da disciplina com uma empresa nacional que cedeu os equipamentos e o treinamento específico em neurocirugia funcional dos neurocirurgiões Elton Gomes da Silva e Juliana Zuiani. Elton é pós-graduando e fez especialização no Hospital de Clínicas da USP de São Paulo e na Universidade de Virgínia, nos Estados Unidos. Juliana é médica-residente e fez especialização também no HC da USP e na Universidade de Toronto, Canadá. O neurocirurgião que supervisionou a cirurgia foi o doutor Andrei Joaquim, médico assistente de ensino da Disciplina de Neurocirurgia. “Essa cirurgia é indicada para pacientes que apresentam efeitos colaterais à medicação. Ela vai reduzir a dose de medicamentos necessários para controlar os sintomas de Parkinson”, disse Elton. "Já começamos a diminuir a medicação da paciente e esperamos que daqui há três meses ela tenha uma melhora completa”, comentou Juliana.

De acordo com o responsável pela divisão de neurocirurgia da FCM da Unicamp, o médico Helder Tedeschi, essa cirurgia marca o início da reativação do setor de neurocirugia funcional do HC Unicamp e constitui o embrião para futuros projetos de assistência e pesquisa cujo apoio deve incluir instituições como a FAPESP. “Investir em alta tecnologia para gerar conhecimento, obtendo assim resultados que revertam em benefício da população de Campinas e região é o objetivo principal de todas as áreas do Departamento de Neurologia”, disse Tedeschi, que segue para Cleveland, nos Estados Unidos para aperfeiçoamento, com o intuito de trazer para a Unicamp a mais recente técnica de tratar a doença de Parkinson: a implantação de eletrodos cerebrais profundos.

 

 

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta