Empatia: palavra de ordem para 2021

A sensação de fragilidade, vulnerabilidade e impotência tomou conta das pessoas em 2020. Mas, as manifestações de generosidade e solidariedade de muitos foram cruciais para amenizar os impactos psicológicos da pandemia.

Com esta segunda onda, ficam as incertezas do que virá em 2021. Aí que entra a empatia, que consiste na habilidade de perceber o outro, muitas vezes, sem que ele precise dizer algo acerca de sua situação emocional ou afetiva. A empatia significa colocar-se no lugar do outro, sentir suas emoções. Neste momento difícil, precisamos demonstrar interesse genuíno e ativo diante das preocupações.

Empatia em 2021: mais que necessária

E como usar essa adversidade global que a Covid-19 representa como uma curva de aprendizado para praticar o amor e a equanimidade? Quando nos preocupamos com os outros, geralmente, temos a tendência de pensar nas pessoas dentro do nosso núcleo: nós mesmos, nossa família e nossos amigos. O momento atual nos traz a oportunidade de expandir nossa mente, exercitar o altruísmo e se preocupar pelo bem de todos os seres. Quem quer que seja e onde quer que esteja.

Como praticar a empatia

Primeiro, precisamos trabalhar a aceitação dos fatos. Lidamos com o momento difícil cultivando pensamentos de medo que nos enfraquecem ou pensamentos que nos fortalecem? Em meio a uma crise global, ser capaz de avaliar o alcance de uma adversidade e ter recursos internos para lidar com ela da melhor maneira possível é muito valioso. Pessoas resilientes fogem de reclamação e justificativas e passam para o gerenciamento das emoções e solução de problemas.

Depois que você consegue entender e aceitar a situação atual, já tem total capacidade de ter empatia e enxergar o próximo. Talvez você não tenha sido tão impactado pela pandemia, mas já olhou a sua volta? Como estão seus vizinhos que perderam entes queridos? Ou os pequenos negócios locais que você costumava frequentar e que tiveram as portas fechadas? Essas são as pessoas que precisam da sua empatia.

Não se sabe até quando, mas continuaremos vivenciando a pandemia em 2021, o que nos leva a questionar como e por quem serei cuidadoso. Qual pensamento vai me guiar diante da situação atual? O que posso fazer para que minha comunidade fique em segurança? Reflita e, neste ano que segue, dê o seu melhor como ser humano.

Elaine Di Sarno é psicóloga, mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP, especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental e Neuropsicologia pelo IPq (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP).

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta