Ilha Feliz

Com decorações, danças típicas e muita música, Aruba, no Caribe, se destaca como o destino perfeito para quem procura aproveitar o clima tropical durante todas as estações. Com a maioria de sua população cristã, o Natal torna-se uma das principais datas comemorativas. Em meados de novembro, os comerciantes e moradores locais se unem para decorar não só as casas, mas também as ruas da ilha, em especial as rotatórias. Com luzes de diversas cores, cada círculo exibe um tema escolhido pelos habitantes.
Dentre as diversas comidas típicas, o destaque fica para o Ayacas: um bolinho de carne enrolado em folhas cozidas de bananeira, preparado e congelado semanas antes das celebrações. A receita foi originalmente criada na Venezuela, mas os arubanos adicionaram pequenos toques caribenhos. Os moradores da ilha costumam oferecer a iguaria para visitantes ou levam para as festas durante os feriados.
O ponche crema é uma bebida doce, similar à gemada, preparada por muitas famílias em Aruba. Tradicionalmente consumido durante o Natal, o drinque combina gemas, creme, rum e uma variedade de especiarias. Os turistas podem adquirir a bebida pronta nas lojas locais.
A música, parte fundamental de qualquer comemoração, também marca presença no fim de ano da Ilha Feliz. As bandas de gaita, por exemplo, são formadas tipicamente por cantoras acompanhadas por instrumentos como furuku, cuarta, base, piano, timbu, raspa e timbal. As apresentações acontecem entre outubro e dezembro, sendo realizadas em locais públicos e privados.
Um grupo de músicos composto por cinco ou seis pessoas visita os moradores desejando felicidades para no ano que está por vir com belas canções natalinas. Esses grupos levam o nome de “Dande”, que na língua local significa “deleitar-se” ou “aproveitar”. Durante as apresentações, um dos integrantes carrega um chapéu para coletar doações que serão divididas entre os membros mais tarde. A visita é considerada uma honra pelas famílias de Aruba.
A noite de Ano Novo é outro espetáculo de tirar o fôlego. Além da tradicional queima de fogos que toma conta da ilha, os moradores mantêm a tradição do pagara – um longo fio de fogos-de-artifício originados na China que pode estourar por até 30 minutos seguidos. Segundo as tradições, o pagara espanta os maus espíritos e é utilizado para celebrar as conquistas do ano que se encerra. O artefato é acendido diversas vezes durante os dias que antecedem a virada do ano. 
Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta