Mercado de flores

Na contramão da desacelerada economia mundial, o mercado de flores brasileiro mostra vigor e tem estimativas animadoras de crescimento para 2012. Enquanto o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro não deverá crescer mais do que 2% este ano, o setor espera um aumento nas vendas de 12% a 15%, o que representa o movimento de R$ 4,3 bilhões. São números animadores, compartilhados pelo Ibraflor – Instituto Brasileiro de Floricultura, pela Câmara Setorial Federal de Plantas e Flores e pela Cooperativa Veiling Holambra.

Desde 2006 o segmento de flores tem registrado altas de 8% a 12% ao ano no volume de vendas, e de 15% a 17% no valor movimentado. E o setor sabe ainda há um vasto campo a ser explorado. Enquanto o consumo per capita de flores na Europa gira em torno de R$ 141 (US$ 70), o brasileiro gasta, em média, apenas R$ 20 por ano. “Na medida em que os salários aumentam, a venda de flores e plantas acompanha esse crescimento. Estamos melhores que outros países em desenvolvimento e podemos crescer muito mais até chegar à média europeia. No Ibraflor estamos otimistas, uma vez que poderemos manter as altas taxas de crescimento do setor”, explica Kees Schoenmaker, presidente do Ibraflor.

A Expoflora, que acontece até 23 de setembro, em Holambra, contribui para fomentar o comércio em todo o país. Considerada a maior exposição de flores e plantas ornamentais da América latina, a Expoflora apresenta as novidades e lançamento do setor, servindo de vitrine e de teste para os novos produtos que estarão nas floriculturas entre 2012 e 2013.

Produção brasileira
De acordo com Sílvia van Rooijen, presidente da Câmara Setorial Federal, o Brasil conta com 9 mil produtores de flores e plantas, que cultivam mais de 350 espécies, com cerca de 2,5 mil variedades. Ela aponta o mercado de flores como uma importante engrenagem na economia brasileira, responsável por 194 mil empregos diretos, sendo 49,5% (96 mil) das vagas relativas à produção, 39,7% (77 mil) relacionadas com o varejo, 3,1% (6 mil) na área de distribuição, e 7,7% (15 mil) em outras funções, principalmente de apoio.

Responsável por negociar de 35% a 40% das flores e plantas ornamentais produzidas no país, a Cooperativa Veiling de Holambra informa que as flores de corte mais comercializadas no Brasil são a rosa, o lírio, o crisântemo, a alstroeméria e as folhagens, enquanto que as flores de vaso mais vendidas são a orquídea Phalaenopsis, o kalanchoe, o crisântemo, o lírio e a begônia. “As vendas de plantas de vasos registraram um crescimento menos acentuado do que nos anos anteriores em virtude, principalmente, do ganho de mercado das flores de corte, que devem aumentar seu peso no mix de produtos já no próximo ano”, afirma Kees.

 

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta