Meu filho tem diabetes, e agora?

Ao saber o resultado do exame, é comum que os pais se assustem, afinal, diabetes não é uma doença simples e requer muitos cuidados. Mas, diferente do que se acredita, é completamente possível conviver com o problema, desde que se tomem as devidas precauções.

Antes de qualquer coisa, mantenha a calma. Crianças bem controladas, com o tratamento adequado, podem chegar aos 50 anos de idade sem nenhuma complicação. E, lembrem-se, crianças não entendem a gravidade do problema e, se elas perceberem o nervosismo dos pais, vão achar que realmente alguma coisa muito séria acontece com elas.

Alguns casais se sentem revoltados ou até culpados pela doença do filho. E, tenha certeza, em nada ajudará tão sentimento. Evitar aplicar a insulina e liberar alimentos inadequados acreditando que estão fazendo seus filhos sofrerem menos, não imaginam a armadilha em que estão caindo.

O diabetes é uma alteração do funcionamento do metabolismo de carboidratos (açúcares), proteínas e gorduras, que ocorre em consequência à diminuição da função ou da quantidade de insulina no organismo. A insulina tem a função de produzir energia através da glicose e, caso pare de fornecer energia ao corpo, os níveis de glicose circulantes aumentam no sangue, a pessoa urina muito, sente muita sede, emagrece e adoece.

O diabetes tipo 1 ocorre principalmente em crianças e adolescentes e ocorre porque o pâncreas para de produzir insulina. A forma de tratamento consiste nas aplicações de insulina, determinada pelo médico responsável. Crianças podem desenvolver ceto-acidose diabética, quadro muito grave de saúde que pode colocar a vida em risco, se não for tratado imediatamente.

A pessoa com diabete pode acompanhar o seu controle através de testes que medem a glicose no sangue (Glicemia), feitos com tiras e lidos em aparelhos portáteis e de uso domiciliar, chamados glicosimetros. Todos os aparelhos são de excelente qualidade e confiáveis para o seguimento de pessoas com diabetes.

As informações são do Dr. Walter Minicucci, médico Especialista em Endocrinologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e Vice- presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta