Monte Verde

Localizada em Camanducaia, cidade do sul de Minas Gerais, o distrito de Monte Verde ganha cada vez mais fama no circuito turístico brasileiro. Considerada a Suiça brasileira, Monte Verde recebeu somente em 2007, cerca de 250 mil turistas e em 2008, esse número aumentou em 20%. As baixas temperaturas, o clima romântico e a natureza são destaques e atrativos do distrito, que investiu em melhorias na infra-estrutura turística. “Monte Verde entendeu e pôs em pratica que o turista é cada vez mais exigente e merece ser atendido a altura. A maioria dos estabelecimentos está investindo pesado em melhorias e reforma”, afirma Gustavo Arrais, diretor da Associação de Hotéis e Pousadas de Monte Verde (AHPMV).

Cercada pelas montanhas da Serra da Mantiqueira, Monte Verde fica a mais de 1.500 m de altitude e é um paraíso ecológico protegido por lei. Parte de seus 650 hectares está incluída a APA (Área de Proteção Ambiental) Fernão Dias, que foi criada para preservar os mananciais da região. O rio mais importante é o Jaguari, considerado um dos cinco melhores rios para rafting do país. A vegetação de Monte Verde faz parte dos últimos 7,5% restantes da Mata Atlântica e a flora é riquíssima, com liquens, musgos e bromélias, entre outras plantas silvestres, além de centenas de araucárias que marcam a região. Há também uma extensa área de reflorestamento, formada por pinheiros e eucaliptos. Além disso, o turista pode ser surpreendido por esquilos, veados, tucanos e beija-flores.

O clima seco e frio de Monte Verde oferece dias ensolarados com temperatura agradável o ano todo. Mas para as noites, é melhor de agasalhar e se preparar para degustar um bom fondue, namorar em frente à lareira e dormir aconchegado nos endredons. Mesmo no verão, depois do pôr-do-sol, a temperatura pode cair para 14ºC. No inverno, o frio pode chegar a temperaturas abaixo de 0ºC, o que só reforça o clima europeu da região. Nessa época do ano, vale a pena fazer um esforço e sair da cama cedo para apreciar o visual dos gramados esbranquiçados pelas geadas.

Monte Verde tem uma charmosa arquitetura, com casas em estilo europeu, além de preparada estrutura turística e gastronômica, com cerca de 120 hotéis e pousadas e inúmeros bares e restaurantes, que encantam tanto pela simplicidade da comida mineira, como pelo sofisticado fondue ou pelos exóticos pratos com carne de javali criados na região.

Aventura e natureza

Para os turistas que desejam muito mais do que caminhadas agradáveis, noites frias e boa comida, os esportes de aventura são ótimas opções e estão entre as principais atividades de lazer em Monte Verde.

Na Chácara Adélia é possível praticar o arborismo em uma área verde extensa e bem cuidada. O percurso dura cerca de 20 minutos, possui 130 metros de extensão e cinco etapas, com direito até a tirolesa: a pessoa desliza em cima de uma árvore para outra pendurada em uma roldana.

Para quem prefere radicalizar, as opções são o rafting acquaride, escalada e rappel. O rio Jaguari é considerado um dos cinco melhores do país para a prática do rafting e do acquaride, também conhecido como bóia cross. O percurso é feito sempre na companhia de guias especializados, que fornecem também o equipamento necessário para a prática segura do esporte.

Alguns picos da Serra da Mantiqueira são propícios para a prática de escalada e rappel. Monte Verde tem vias clássicas e esportivas, das quais sete com proteções fixas e duas com proteções móveis, distribuídas na Pedra Redonda, no Chapéu do Bispo e no caminho para o Pico do Selado.

Para quem está começando ou quer aprimorar suas habilidades, a sugestão é fazer uma clínica de escalada. Já no rappel, o turista desce os paredões de montanhas e cachoeiras pendurado em cordas presas à chamada cadeirinha, uma espécie de cinto de segurança. Tanto as escaladas como o rappel devem ser praticados com apoio de monitores e guias.

Monte Verde ainda oferece atrações como a Casa dos Beija-Flores, a Cachoeira do Pretos, a Cascata Siriema, o Bosque do Gato de Botas, o aeroporto mais alto do Brasil, Museu da MPB, além de inúmeras trilhas.

Gastronomia

A gastronomia é um dos pontos fortes de Monte Verde, que oferece o que há de melhor da cozinha mineira e também delícias da culinária européia. O uso de ingredientes especiais é um dos fatores que tornam a culinária do distrito marcante. Os restaurantes utilizam produtos da região, muitas vezes cultivados sem o uso de agrotóxicos e outros aditivos. O pinhão, fruto das araucárias abundantes nas montanhas, aparece nos cardápios especialmente na época da colheita, de abril a agosto, transformado em pães e farofas.

A truta é outro exemplo de produto local que faz sucesso entre os visitantes. Da mesma família que o salmão, é um dos poucos peixes que podem ser consumidos sem risco de contaminação porque sobrevive e se reproduz apenas em águas puras livres de qualquer tipo de poluição.

Há também uma criação de javalis, cuja carne já é apreciada em restaurantes de culinária contemporânea. Bem menos exóticos que os javalis, os fondues tem presença garantida no cardápio de vários restaurantes. O prato criado na suíça é uma opção mesmo nas noites frescas no verão de Monte Verde. E para quem prefere uma comidinha caseira, a sugestão são os pratos típicos da cozinha mineira, como o leitão a pururuca. Há ainda restaurantes especializados em culinária alemã, italiana e portuguesa e, para uma pausa no meio da tarde, casas de chá, cafeterias e lanchonetes.

Entre os destaques das sobremesas estão o strudel, sobremesa popular na Europa Central, e as sobremesas a base de morangos e de chocolate, como as servidas nos cafés e casa de chá da vila.

Natureza, boa comida, diversas opções de lazer, hotéis e pousadas charmosos e ainda hospitalidade mineira. Monte Verde não para de atrair atenções e conquiatar de vez seu lugar no turismo nacional.

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta