Nissan March


por Jorge Augusto  fotos Marcelo Alexandre

Lançado em setembro de 2011, o Nissan March chegou como o primeiro carro popular japonês, ao Brasil. Como missão, o novo compacto quer figurar de maneira expressiva no maior segmento do mercado brasileiro, além de ser a base da nova Nissan no Brasil. Atributos não faltam ao estreante. De cara, um visual que rompe completamente com a rotina da categoria. Além disso, o March conta com bom nível de equipamentos de série, oferecendo desde a versão de entrada airbag duplo, computador de bordo, ar quente e ajuste de altura do banco do motorista.
Essa avaliação traz o Nissan March equipado com motor 1 litro de 16V. Existem em duas versões de acabamento, sendo 1.0 e 1.0S. O veículo avaliado correspondia à versão mais equipada. Este motor tem 74 cavalos de potência máxima, e torque de 10 kgfm sempre a 4.350 rpm. Existe ainda as versões com motor 1.6 16V, foco de próximas avaliações.
Criado no Centro de Design do Japão, o desenho do March foi pensado para ser mundial e com o objetivo principal de agradar consumidores em mais de 160 países onde o modelo é comercializado. O Nissan March é o primeiro fruto da Plataforma V (de versátil). O projeto do March partiu do zero. Não foi uma adaptação, e assim o projeto foi pensado desde o início, seguindo premissas modernas de produção e qualidade. Isso permitiu que o Nissan March tivesse 18% menos componentes em relação à geração anterior. No painel, por exemplo, são 28 ao invés dos 50 de antes. A tecnologia empregada nessa plataforma colaborou para manter o peso baixo no March. O compacto pesa entre 925 kg e 938 kg na versão 1.0. Com menos peso, há maior economia de combustível e, consequentemente, menor emissão de poluentes.
O visual desse carro é diferente de tudo que esta disponível nessa categoria, no mercado brasileiro. O March usa e abusa de formas circulares e ovais. Essa grande diferença no visual resulta num carro que atrai clientes ao mesmo tempo em que os afasta. Observa-se que, enquanto algumas pessoas se encantam com o carro, outras simplesmente não gostam. De qualquer forma, a ousadia da Nissan tende a dar resultados positivos, pois sai do lugar comum dos hatchs compactos.
Interior
O principal apelo do March, não é o seu estilo, mas sim sua funcionalidade. Não dá pra negar a praticidade. O interior é uma grata surpresa. O March tem 1,53 m de altura e 1,66 m na largura. Com apenas 3,78 m de comprimento, a plataforma V permitiu uma distância entreeixos de 2,45 m. O principal benefício disso é que os passageiros de trás não se sentem apertados, e o espaço do March é um dos melhores do segmento. Entre as soluções que melhoram o espaço interno, são os para-lamas proeminentes. Isso permitiu posicionar as caixas das rodas nos extremos da carroceria, ampliando o espaço interno melhorando a estabilidade e a dirigibilidade.
Um dos recursos que ajuda a melhorar o espaço no interior é o conceito de dupla-bolha do painel, com linhas arqueadas e superfícies curvadas. Dessa forma, o painel abre espaço para pernas, ao mesmo tempo que agrega melhor os mostradores e porta-objetos.
O motorista conta também com o ajuste de altura, que pode elevá-lo em 4 cm, item de série desde a versão de entrada. Isso permite ótima visibilidade dianteira, para motoristas de estaturas variadas.
O painel de instrumentos inclui velocímetro e o conta-giros (item de série desde a versão de entrada), e do computador de bordo. Na versão avaliada, o volante de três raios tem ajuste de altura (a partir da 1.0S). A ergonomia também se mostra adequada. Os comandos do climatizador e posição do rádio são de fácil acesso. Ainda sobre o sistema de áudio, vale o destaque para o compartimento double DIN do rádio, que permite a instalação de outras centrais multimedia do mercado.
O Nissan March tem um console longitudinal entre os bancos dianteiros. Indo do fim do painel até pouco depois do freio de estacionamento, a peça comporta três porta-copos (dois na frente e um entre os dois bancos, próximo aos encostos). Além destes, o March conta com outros dois porta-copos nas portas dianteiras.
Ainda que o interior seja bastante funcional e o acabamento tenha uma qualidade justa para a categoria, o visual é pobre. Um pouco mais de refinamento seria bem vindo, assim como acontece em alguns concorrentes do March. O porta-malas com 265 litros está na média da categoria.
Motor
O motor bicombustível 1 litro (998 cm³) foi desenvolvido pela Aliança Renault-Nissan e foi ajustado para se adequar ao desempenho e características do March. Com quatro cilindros em linha e 16 válvulas, entrega 74 cavalos de potência a 5.850 rpm e 10 kgfm de torque a 4.350 rpm, tanto com etanol como com gasolina. Seus números na aceleração de 0 a 100 km/h são: 14,5 segundos com gasolina, e 13,8 segundos com etanol. A velocidade máxima segundo a montadora é de 167 km/h.
Equipamentos
 
Além do citado airbag duplo de série desde o modelo de entrada, outro destaque do March é a direção elétrica progressiva, também disponível em todas as versões (opcional na 1.0) – todos os competidores diretos contam com o sistema hidráulico. O sistema elétrico oferece mais leveza no momento das manobras e em baixas velocidades, tornando a direção progressivamente mais pesada com o aumento da velocidade para que a segurança não seja comprometida.
A abertura da tampa do tanque de combustível por meio de uma alavanca no painel entre o volante e a porta esquerda, é item disponível desde a versão de entrada 1.0. O reservatório de gasolina para a partida a frio pode ser abastecido sem a abertura do capô, algo que não é comum para modelos do segmento. No March, basta abrir a tampa de proteção do subtanque, localizada na base do para-brisa, girar o botão e destravar com o bocal com a chave – a Nissan também adota esta solução na linha Livina e Tiida.
Desde a versão de entrada o March conta com computador de bordo, com as seguintes informações: consumo instantâneo, médio e a autonomia. O computador de bordo também conta com relógio digital e dois odômetros parciais.
O porém do carro é a indisponibilidade de farol auxiliar, até mesmo como acessório na versão 1.0. Também não existe o apoio de cabeça para o passageiro central do banco traseiro. Outro senão é a total indisponibilidade dos freios com ABS, mesmo como opcional.
Dirigibilidade
Quem dirige o March pela primeira vez, se impressiona com sua agilidade. Ele oferece rapidez nas acelerações, graças às relações curtas do câmbio. Na estrada, o pequeno motor também se mostra eficiente, quando comparado a outros modelos 1.0 litro. Não é exagero dizer que o March fia próximo de carros equipados com motores de 1,4 litro. Outro ponto que contribui no desempenho rodoviário é o baixo coeficiente de arrasto, de apenas 0,33.
A agilidade ainda estende-se no caso de manobras. O modelo tem um raio de giro de apenas 4,5 m e sua direção assistida é realmente leve.
No uso urbano, o March também mostra disposição para encarar lombadas e buracos. Sua suspensão frontal é independente, tipo McPherson, e a traseira tem eixo de torção, solução adotada pela Nissan em outros modelos de sua linha. Não há nada de novo ou revolucionário aqui. Porém, o conjunto se apresenta resistente e forte. Isso sugere um carro que provavelmente deve durar bastante em condições de uso severo.
 
Pós-venda diferenciado
O compacto chega ao mercado com o “Compromisso Nissan March”. Trata-se de um pacote de preços e serviços que, segundo a Nissan, posiciona o modelo como o mais competitivo do segmento também na manutenção. Entre estes serviços estão três anos de garantia (o único 1.0 popular do mercado a oferecer esta condição) e dois anos da assistência 24h do Nissan Way Assistance e preços fixos de revisão com mão de obra, que será o mesmo cobrado em todo o país. A Nissan afirma que oferece o menor preço de manutenção do segmento. Essa estratégia lembra bastante o formato utilizado no lançamento do sedan compacto Renault Logan há alguns anos.
A Nissan oferece mão de obra grátis na primeira revisão, que custa R$ 149. Ainda segundo a fábrica, até 60 mil quilômetros, o proprietário do March desembolsa R$ 1.744 realizando as revisões obrigatórias. Além disso, os preços das revisões obrigatórias serão fixos e nacionais para que o proprietário do March saiba desde a hora da compra quanto gastará nas revisões periódicas (a cada 10,000 km ou 12 meses, o que ocorrer primeiro).
O outro destaque é o serviço de assistência 24 h Nissan Way Assistance. O cliente March poderá utilizá-lo por dois anos sem custos, maior período oferecido no segmento para este tipo de benefício. O Nissan Way Assistance atende 24 horas casos de pane, colisão, furto ou pneu furado. Além disso, oferece conserto no local ou reboque, dependendo do que acontecer. Dependendo do local no qual ocorrer o inconveniente, a Nissan oferecerá guincho ou até quatro dias de hospedagem grátis. E, se for o caso, um carro reserva gratuito por quatro dias.
Mercado
O Nissan March está disponível nas cores sólidas branca e preta, e nas metálicas prata, cinza, vermelho, laranja e azul. Os preços das versões são os seguintes: March 1.0: R$ 27.790; 1.0 Pacote Plus: R$ 28.490; 1.0 Pacote Conforto: R$ 31.990 e 1.0S: R$ 33.390. Os opcionais são pacote roda de liga-leve: R$ 700 e pintura metálica: R$ 720. Lançada em 2010, esta quarta geração do Nissan March é produzida atualmente na Tailândia, Índia, China e México. O modelo que vem para o Brasil é produzido no México.

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta