Portadora de ELA lança livro escrito com os olhos

Please select a featured image for your post

O 19° Simpósio Internacional de ELA-DNM — Esclerose Lateral Amiotrófica e Doença do Neurônio Motor, realizado no início do mês, na Inglaterra, foi o cenário escolhido pela poeta e advogada Leide Moreira, 60 anos, para apresentar internacionalmente o seu livro POESIAS PARA ME SENTIR VIVA”, título que remete ao significado que escrever poesias tem para ela. Portadora de esclerose lateral amiotrófica desde o final de 2004, doença ainda sem cura que causa degeneração dos músculos, a autora contou com os movimentos dos seus olhos e o apoio de uma tabela visual manuseada por colaboradores para construir as 60 poesias que compõem a obra.

Para a Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica – ABrELA –, Leide é um exemplo de determinação e coragem. “O nome Leide Moreira representa para nós a verdadeira força de viver, nos transmitindo com suas poesias mensagens de amor, força e qualidade de vida”, diz o presidente da entidade, Abrahão Augusto Juviniano Quadros. Estimativas da ABrELA indicam que o Brasil deve ter perto de cinco mil portadores de ELA, embora somente 1 mil e 500 sejam conhecidos. A maioria depende de medicamentos e respiradores que só recentemente passaram a figurar na lista de distribuição gratuita do Sistema Único de Saúde (SUS).
 
 
Livro e documentário
 
Com patrocínio do Bradesco Vida e Previdência, o livro terá uma tiragem inicial de três mil exemplares e será vendido em livrarias indicadas no site www.leidemoreira.com.br e também pela ABrELA que receberá uma cota desta tiragem. A renda será revertida para o trabalho desenvolvido juntos aos pacientes atendidos pela associação.
 
O livro bilíngüe traz ainda foto de Vânia Toledo e ilustrações do neto de Leide Moreira, Gabriel de sete anos, além de 60 poesias, sendo que 20 delas estiveram presentes no “Letras da Minha Emoção”, primeiro livro da autora que, com tiragem limitada e artesanal, contava também com poesias criadas anteriormente ao seu adoecimento.
 
De acordo com a filha de Leide Moreira, Leide Moreira Jacob, sua assessora para o dia-a-dia e também sua produtora cultural, a meta é a produção de um documentário longa metragem que irá contar a luta da advogada pela vida, dando visibilidade ao pioneiro processo de produção poética da autora. “O nosso trabalho visa também discutir inclusão social, qualidade de vida, cidadania, processos de enfrentamento, de superação, dignidade, o papel da arte, além da cura da doença e dos investimentos feitos nesse sentido”, afirma Leide, acrescentando que está captando recursos para o filme, que ela espera rodar em 2009, assim que conseguir patrocínio.
 
Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta