Saúde dos olhos

Nosso corpo é composto em 60% de água. Perder 1,5% disso já indica uma leve desidratação, problema comum no verão, que tem reflexos no corpo todo, inclusive na visão.  De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, os principais sinais de desidratação ocular conhecida como síndrome do olho seco são: coceira, ardência, sensação de areia nos olhos, irritação, fotofobia e visão embaçada. Ele afirma que a doença é mais comum no inverno por causa da estiagem, mas nos dois últimos verões  o calor intenso somado à baixa umidade aumentou  em 10% os diagnósticos de olho seco em relação ao verão do início de 2013. O especialista explica que a falta de lágrima pode causar ceratite (inflamação da córnea), alergia, agravar o abaulamento da córnea em portadores de ceratocone e facilitar o aparecimento de conjuntivite. Isso porque, a lágrima tem a função de proteger as porções externas do olho, córnea e conjuntiva. É composta por três camadas: aquosa, lipídica e proteica. Qualquer desequilíbrio em um desses ingredientes causa a desidratação dos olhos.

Causas
Queiroz Neto ressalta que algumas causas do olho seco evaporativo são óbvias. A de a maior prevalência é o uso prolongado do computador. Dois estudos conduzidos pelo médico mostram que a fadiga visual e ressecamento da lágrima atingem 75% das pessoas com até 40 anos de idade que permanecem por mais de duas horas olhando para as telas dos monitores e 90% dos que têm idade superior.

Durante o verão, outros fatores de risco citados pelo oftalmologista são:
• Tomar pouca água
• Excesso de ar condicionado ou ventilador
• Exposição ao ar quente do secador de cabelo
• Tomar sol sem proteger os olhos
• Fazer exercícios em locais muito poluídos

Como prevenir?
Atenção às flutuações hormonais: O estrogênio e a progesterona influenciam a hidratação do corpo. Isso explica porque o olho seco é mais comum entre mulheres. A dica é aumentar o consumo de água  no período menstrual e na pós-menopausa.
Mantenha o diabetes sob controle: A alta da glicose na corrente sanguínea faz com que o portador de diabetes urine mais. Por isso. se você tem diabetes acompanhe os níveis de glicemia no sangue com seu médico. Além de evitar o olho seco e a desidratação, previne o aparecimento da retinopatia diabética que pode cegar.
Fique alerta aos efeitos colaterais de medicamentos: Se você faz tratamento para hipertensão arterial ou toma qualquer outro medicamento com efeito colateral diurético, usa com frequência antialérgicos que ressecam os olhos, toma pílula anticoncepcional ou faz TRH (Terapia de Reposição Hormonal), consome remédios que causam vômito ou  diarreia, a recomendação médica é reforçar o consumo de água.
Cuidado com a síndrome do cólon irritável: Isso porque é caracterizada por diarreia e vômito crônicos que facilitam a desidratação se não for reforçado o consumo de água.
Controle o estresse e mantenha hábitos saudáveis: Para evitar o esgotamento das glândulas suprarrenais que respondem pela produção do  hormônio aldosterora. Suprarrenais esgotadas diminuem a produção deste hormônio cuja função é regular os níveis de  líquido no corpo. Evite bebidas alcoólicas e outros alimentos com efeito diurético como  a salsa, agrião, sementes de aipo e  dente de leão. Consuma cinco porções de frutas e verduras ao dia. Se o consumo for menor beba mais água.

Tratamento
O médico diz que o tratamento de síndrome do olho seco é feito com colírio de lágrima artificial, preferencialmente com conservante virtual que desaparece em contato com o olho e por isso evita irritações. Incluir na dieta fontes de ômega 3 como a semente de linhaça. nozes, salmão, bacalhau e sardinha  melhora a produção da camada lipídica da lágrima e evita sua evaporação. O médico ressalta que esta suplementação só é contraindicada para homens com hiperplasia prostática  porque pode piorar a doença.

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta