Sinfônica da Unicamp

Com um maestro espanhol, dois solistas brasileiros e um repertório sedutor, que une as pontas do clássico ao contemporâneo, a repaginada Orquestra Sinfônica da Unicamp (OSU) estreia sua temporada artística no próximo dia 27, quarta-feira, às 20 horas, no Teatro Castro Mendes, em Campinas.

Sob a regência de Octavio Más-Arocas – que já atuou como assistente do emblemático Kurt Masur –, a OSU apresenta De Profundis, de Igor Maia (aluno de pós-graduação da Unicamp); oConcerto para 2 Flautas, de Domenico Cimarosa (1749-1801), com solos de Rogério Peruchi e Lucas Martinelli de Lira, e a Sinfonia nº 7em lá maior, de L. v. Beethoven (1770-1827).

A vinda de Más-Arocas ao Brasil integra o programa do Artista Residente – uma parceria entre o Centro de Integração, Documentação e Difusão Cultural (Ciddic) da Unicamp e o Departamento de Música do Instituto de Artes. Ele também irá atuar no Departamento de Música, na área de regência orquestral, e na disciplina de Prática Orquestral do curso de graduação em Música.

Segundo a nova regente titular da OSU, Cínthia Alireti, o programa Artista Residente faz parte do conjunto de ações para a reestruturação da OSU, que pretende dar visibilidade às novíssimas safras do melhor da produção contemporânea, e interagir com alunos das escolas das redes públicas e particulares por meio dos ensaios abertos. Pautada na qualidade, a maestrina promete uma programação atraente nesta temporada, com clássicos populares.

Sobre a vinda de Más-Arocas (que já regeu a OSU em 2012, no Festival Internacional Carlos Gomes), a compositora e diretora do Ciddic, Denise Garcia, é categórica: “A ideia de trazer um artista com uma larga experiência internacional trará um contraponto muito valioso em termos de parâmetros de qualidade artística, tanto para a Orquestra, quanto para a atuação docente no Departamento de Música”,lembrando que “a participação de um docente/maestro atuante em uma universidade americana, contribui para que o Ciddic e o Instituto de Artes participem das iniciativas de internacionalização da Unicamp”.

 

 

 

Nenhum Comentário Ainda

Deixar uma Resposta