Boas ideias de aproveitamento em corredores

O corredor é um espaço tão importante quanto qualquer outro da casa, não merecendo ser deixado de lado. É uma área de passagem, por isso, precisa combinar bem com a essência dos outros cômodos.

Ele pode (e deve) transmitir personalidade, acolhimento e funções complementares. Mas é preciso evitar o excesso para que o espaço não fique sobrecarregado e deixe de proporcionar a fluidez para quem transitar por lá.

Um time de arquitetos dão dicas de como criar um ambiente interessante sem destoar dos demais. Confira!

Neste primeiro projeto, executado pela arquiteta Isabella Nalon, o ambiente ganhou alguns itens importantes como o banco, espelho e penduradores que agregaram atribuições valiosas na rotina dos habitantes do imóvel. “Muito além de uma área de circulação, podemos criar sensações interessantes, despertar curiosidades e transmitir a personalidade daqueles que habitam na casa”, afirma. Em seu ponto de vista, o intuito de sair da mesmice e ousar, combinando com estilo decorativo dos demais cômodos, é plenamente possível.

Foto: Julia Herman

Com ares minimalista, nesse corredor a arquiteta Isabella explorou o recurso da iluminação zenital. Com as aberturas realizadas na cobertura da edificação, foi possível garantir e explorar luz natural para essa área. “Essa é uma solução fantástica que nos abre uma opção estética e alivia as limitações de espaços que não permitem a abertura de janelas, como é o caso de um corredor”, afirma.

Como deixar o décor do espaço mais atrativo?

Em um primeiro olhar, pode parecer que não há muito o que fazer em termos de decoração nos corredores. Contudo, o ambiente pode ser útil para ampliar os espaços dentro de casa, ainda mais em apartamentos com plantas reduzidas. “Armários planejados são muito bem-vindos. Todavia, é fundamental que o corredor disponha de uma largura confortável para que a área de transição seja útil. Por exemplo, na interligação com os dormitórios, cai muito bem a ideia de um roupeiro para guardar roupas de cama e toalhas”, sugere a arquiteta Camila Corradi, do escritório Corradi Mello Arquitetura.

No corredor do hall de entrada projetada pelo escritório Corradi Mello Arquitetura, a madeira freijó revestiu as paredes e ainda concebeu uma estante com armários e nichos que receberam uma seleção de itens decorativos | Foto: Evelyn Müller

Na opinião de sua sócia, a designer de interiores Thatiana Mello, não há questões limitantes para investir em escolhas que possam agregar um diferencial. “A realização de um galery wall fica superespecial e não ocupa espaço”, explica.

No projeto realizado por Camila e Thatiana, o caminho que leva o morador para a área reservada do apartamento foi decorado com mais de 100 fotos clicadas nas viagens realizadas por ele. Para completar, o piso recebeu passadeiras cinza que foram posicionadas em cima do piso de madeira | Foto: Evelyn Müller

Além dos móveis, outras peças deixam o corredor mais encantador. Os espelhos, por exemplo, aumentam a amplitude do ambiente e são perfeitos para espaços reduzidos – além disso, despertam o interesse no corredor, tornando-o mais sofisticado. Investir em espelhos arredondados ou retangulares é outra estratégia preciosa, pois quando iluminados indiretamente favorece ainda mais o espaço. “Vasinhos de plantas também ficam superbacanas”, adiciona Isabella.

Neste corredor estreito, Isabella Nallon inseriu os espelhos para ajudar na amplitude | Foto: Julia Herman

Medidas

Não existe um tamanho ideal para o corredor disposto em um hall de entrada ou na área íntima do projeto. Todavia, ter como referência uma largura mínima de 0,90 a 1 m permite que a circulação se torne confortável e o transporte de materiais seja realizado sem esbarrar nas paredes. “Considero que 0,80m é uma dimensão muito incômoda. E quando o projeto permite, podemos trabalhar com metragens de 1,20 a 1,50m”, detalha Isabella.

Em se tratamento de comprimento, a metragem influencia diretamente na iluminação e na percepção que o morador terá do espaço. Em projetos mais amplos, a arquiteta Isabella recomenda um indicador de até 5m, haja vista uma dimensão superior pode trazer ao habitante a impressão de estar andando em um funil. “Além do que, a iluminação precisa ser ainda mais eficaz, pois qualquer falha pode deixar o corredor escuro”, acrescenta.

No corredor executado pela arquiteta Carina Dal Fabbro, a combinação entre as paredes pintadas de cinza e um espelho, com moldura vitoriana. A monocromia revela a personalidade dos moradores | Foto: Rafael Renzo

Paredes

Com o propósito de deixar o ambiente mais descolado, uma boa opção é utilizar pintura bicolor: com duas cores diferentes na mesma parede, é possível criar um efeito vintage ou contemporâneo, sendo que as paredes mais claras são eficazes para o efeito visual de extensão. No contraponto, se a finalidade for ‘estreitar’, a paleta mais escura costuma ser a mais indicada e, quando utilizada nas paredes do fundo, produz a percepção de que a parede está mais próxima. “A ressalva que faço aqui diz respeito à aplicação em corredores menores. No oposto, pode causar desconforto em espaços mais extensos”, adverte Isabella Nalon.

No apartamento realizado por Bianca Atalla e Fernanda Mendonça, do Oliva Arquitetura, o corredor que leva os moradores aos dormitórios é predominantemente branco. O destaque fica para a parede verde água logo ao fundo | Foto: Mariana Orsi

Iluminação

Por ser um local pouco iluminado dentro da casa, o corredor requer uma iluminação específica e diferente dos outros cômodos. Neste espaço, é possível produzir alguns efeitos de luz, sendo que o recomendado é optar por peças como arandelas de fachos e balizadores de parede para assegurar um efeito delicado. Outra possibilidade é inserir uma iluminação mais cênica para destacar forro de gesso.

error: Content is protected !!